2012/02/15

Seminário Tecnologia Social e Economia Solidária: Construindo a Ponte



28 e 29 de fevereiro de 2012
Auditório 1 do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH/UNICAMP)


Construir a ponte, no sentido de elaborar políticas públicas, é essencial para produzir o suporte cognitivo – a Tecnologia Social - necessário para tornar sustentável no plano econômico, social, cultural e ambiental, a Economia Solidária. Usando uma analogia que, embora equivocada, é útil, vamos entender o pilar Tecnologia Social como aquele que “oferece” o conhecimento tecnocientífico necessário para consolidar outro - o da Economia Solidária. E, este, como o que “demanda” desse conhecimento.
Coerentemente com os objetivos do Grupo de Análise de Políticas de Inovação (GAPI), o Seminário visa desenhar políticas relativas às áreas de Educação e de C&T para fortalecer esses dois pilares. Isto é, para fomentar atividades de ensino e pesquisa em Tecnologia Social em instituições públicas e no âmbito dos empreendimentos solidários - pilar Economia Solidária – que realizam atividades de produção de bens e serviços que a demandam.

Programação

28/02/2012

Abertura e apresentação do Seminário (9-9:45h)
Rafael Dias (UNICAMP)

Intervalo para café (9:45-10h)

Mesa 1 (10-12h) - Os pilares e a ponte: uma visão de conjunto
Os conceitos de Tecnologia e de Economia Solidária que utilizamos e que sugerem a metáfora da ponte são também responsáveis por uma outra; a que entende a Tecnologia Social como a plataforma cognitiva de lançamento da Economia Solidária.

Participantes:
Renato Dagnino (UNICAMP)
Silvio Caccia Bava (Instituto POLIS)

Intervalo para almoço
(12-14h)

Mesa 2 (14hs-16hs) - Focando o pilar da Tecnologia Social: os arranjos institucionais na Universidade
Coerentemente com o viés policy oriented do seminário e sua intenção de submeter à crítica as idéias do GAPI, o foco locacional são as instituições públicas a serem mobilizados para fomentar a “oferta” de Tecnologia Social. A questão normativa orientadora é como formar profissionais, nos planos do ensino, da pesquisa e da extensão, para desenvolver Tecnologia Social? Um aspecto descritivo a abordar são os arranjos institucionais (novas disciplinas e cursos de graduação e pós-graduação, incubadoras) que vêm sendo experimentados.

Participantes:
Enrique Martinez (INTI)
Emilia Rutkowski (UNICAMP)
Lais Fraga (UNICAMP)

Intervalo para café (16hs-16:15hs)

Mesa 3 (16:15hs-18:15hs) - Focando o pilar da Economia Solidária: os arranjos institucionais governamentais
Com o mesmo viés e a mesma intenção, o foco locacional é o governo como responsável pela elaboração de políticas públicas capazes de alavancar ou induzir a “demanda” de Tecnologia Social por parte dos empreendimentos solidários. A questão orientadora é como utilizar os arranjos institucionais existentes (que abarcam desde a capacitação de pessoas e alocação de pesquisadores nesses empreendimentos, até a utilização do poder de compra do Estado), e conceber novos arranjos institucionais para fomentar a produção de bens e serviços intensivos em Tecnologia Social pela Economia Solidária, mediante o entrelaçamento e completamento de cadeias produtivas.

Participantes:
André Noel Roth Deubel (Universidad Nacional de Colombia)
Maurício Sardá de Faria (UFPB)
Daniel Tygel


29/02/2012

Mesa 4 (9h-11h) - Focando outros elementos: subversão, desmercantilização e lógica solidária
Avançando no terreno normativo, o objetivo aqui é desenhar estratégias para enfrentar os obstáculos ao fortalecimento dos dois pilares e à construção da ponte pela qual irá transitar a sociedade “para além do capital” que queremos. No plano teórico, o desafio é: como conceber novos conceitos, abordagens, metodologias e práticas que orientem essa construção a partir da crítica à crescente mercantilização de todos os âmbitos da vida? Como subverter os mecanismos que constituem o capitalismo contemporâneo, e a sua racionalidade tecnocientífica subjacente, tendo como guia propostas como as do “bem viver” e lógicas desmercantilizadas, autogestionárias, solidárias? E como mapear oportunidades para a implantação de empreendimentos solidários, prospectar potenciais de desenvolvimento de Tecnologia Social, identificar linhas de menorresistência para a mudança de marcos legais?
Participantes:
Susana Hintze (Universidad Nacional General Sarmiento)
Ricardo Neder (UnB)
Gabriel Kraychete (UCSAL)

Mesa 5 (11h-12h30) -  Síntese das discussões e encerramento
Participantes:
Renato Dagnino (UNICAMP)
Ivo Theis (FURB)

Realização:
GAPI – Grupo de Análise de Políticas de Inovação do DPCT/UNICAMP
ProTS-Unicamp – Programa de Extensão em Tecnologia Social da PREAC/UNICAMP

Apoio:
CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
PREAC – Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da UNICAMP
IDRC – International Development Research Centre
DPCT/Unicamp – Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada