2011/04/01

Por cidades mais inclusivas e sustentáveis

Fuente: Rede de Tecnologia Social (RTS): http://bit.ly/eSitky

Acesse o site do Changemakers e ajude a escolher os melhores projetos ao redor do mundo


25/03/2011 - Dois projetos brasileiros estão entre os 11 finalistas do Desafio Global do Changemakers, realizado pela Ashoka, que este ano tem como tema “Moradia Ideal: colaboração para cidades mais inclusivas e sustentáveis”. Você, internauta, tem até o dia 6 de abril para participar da votação pública que irá escolher as três melhores ideias. Os vencedores vão levar um prêmio de US$ 10 mil dólares para investir em suas iniciativas e serão apresentados no evento de encerramento da competição colaborativa online, marcada para junho, no National Building Museum, em Washington, DC, nos Estados Unidos.

Os projetos que participam da votação pública foram selecionados dentre 289 iniciativas desenvolvidas em 48 países, por um grupo de jurados internacionais, que decidiram pelas ideias mais inovadoras e com maior potencial de reaplicação em escala em cenários urbanos.

Para ajudar a decidir os melhores modelos para cidades mais sustentáveis, que respeitem o meio ambiente e as culturas locais, basta acessar o site do Changemakers.com (http://www.changemakers.com/pt-br) - programa que possibilita a discussão, a troca de experiências e o financiamento de projetos relacionados a questões globais urgentes, como o de moradias mais sustentáveis.

“Em 2050, três em cada quatro pessoas no mundo viverão nas cidades, já que milhões de pessoas continuam a migrar para áreas urbanas em busca de novas oportunidades. Ao criar habitações que sejam acessíveis, sustentáveis e inclusivas e enfrentar o desafio de restrições de energia e alterações climáticas, estas soluções permitem que as cidades possam servir de motores da economia global, ao mesmo tempo em que proporcionam comunidades mais agradáveis e resistentes para milhões de pessoas ao redor do mundo”, destaca a presidente da Ashoka, Diana Wells.

Um dos finalistas do Brasil, “Lixo zero”, de São Paulo, propõe reutilizar resíduos sólidos na construção civil. Além das garrafas PET, a ONG Curadores da Terra passou a pesquisar novas tecnologias e materiais, chegando ao poliuretano, um plástico vegetal biodegradável, produzido com óleo de mamona. A reciclagem do lixo é a parte mais visível da iniciativa, que prevê uma série de políticas públicas que tomam como base a energia renovável e a arquitetura sustentável. São medidas que não só podem reduzir a quantidade de lixo nos aterros sanitários como gerar empregos, diminuir gastos públicos e possibilitar a construção de moradias a custos mais baixos.

O outro finalista brasileiro vem do Espírito Santo. O projeto Bem Viver, da Associação Ateliê de Ideias, prevê uma série de ações que possibilitem moradia digna a famílias de baixa renda. Entre elas estão, por exemplo, o crédito habitacional, concedido com a moeda social Bem - tema de matéria publicada no Notícias da Rede Nº 164 . A associação também orienta os clientes, prestando assessoria técnica em projetos arquitetônicos e orçamentos, além de atuar na eficiência e na qualidade das obras por meio de duas outras iniciativas: uma fábrica de tijolos ecológicos e outra de objetos de decoração, produzidos com material reciclado das construções.

"As soluções finalistas vão estimular o crescimento econômico, combater a pobreza e construir centros urbanos mais inteligentes do ponto de vista ambiental, com abundância de transporte e que deem prioridade para a circulação de pedestres", disse Benjamin de la Peña, diretor para Desenvolvimento Urbano da Fundação Rockefeller. "Eles vão desencadear oportunidades econômicas para a população pobre que vive nas cidades, criando desenvolvimento social inclusivo ao redor do mundo por muitos anos."

Além da votação, você pode também participar de um bate-papo pelo Twitter (@ChangemakersPT), na segunda-feira, dia 4 de abril, utilizando a tag #SocEntChat, entre as 16hs-18hs (horário de Brasília).

A seleção dos finalistas foi realizada por especialistas de vários países: Jeroo Billimoria, fundador da Aflatoun; Angel Cabrera, presidente da Thunderbird School of Global Management; William Cobbett, gerente da Aliança de Cidades; Inês Magalhães, secretária nacional de habitação para a República Federativa do Brasil; María Otero, subsecretária de Estado para Democracia e Assuntos Globais do Departamento de Estado dos EUA; Eduardo Rojas, especialista em desenvolvimento urbano do Banco Interamericano de Desenvolvimento; Ron Sims, secretário-adjunto do Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA; Sara Topelson, subsecretária de desenvolvimento urbano e territorial para o Governo Federal do México, e Jane Weru, diretora executiva e fundadora da Akiba Mashinani Trust.


Conheça os finalistas:

Sume Materiales (“Incorporate materials”) - Reutilization of Materials to Facilitate Access to Housing – Argentina

Slum Networking – Transforming Slums and Transcending Poverty Without Aid with an Innovative Water and Sanitation Paradigm – Índia

Developing Real Estate for Squatters and Tenants of the City of Buenos Aires – Argentina

Social Franchising for Development of Sustainable Housing at the Bottom of the Pyramid – México

Programa Bem Morar – Brasil

Kibera Public Space Project: Sustainable Housing Through “Productive Public Space” – Quênia

Zero Waste, Sustainable Architecture, Renewable Energy – Brasil

Green Development Zone – EUA

Micro Home Solutions: Safe & Affordable Home Upgrading in Low Income Urban India – Índia

Transforming the Low-Income Housing Development Paradigm – México

Building a Culture of Earthquake Resistant Construction Practices Among Day Laborers in Haiti – EUA



Karine Rodrigues, jornalista do Portal da RTS, com informações do Programa Changemakers

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada