2012/03/12

Tecnologias Sociais: Especialização quer repensar matrizes econômicas e sociais da Região

Reproducimos esta nota publicada en el portal de UNILA - Universidad Federal de la Integración Latinoamericana acerca del Curso de Especialización en Tecnología Social. Inclusión Socioeconómica, Democratización Política y Desarrollo Local.


Imagen del Curso de Especialización en Tecnología Social


Tecnologias Sociais: Especialização quer repensar matrizes econômicas e sociais da Região*

Trinta alunos de oito países iniciam no mês de março uma experiência inédita na América Latina: farão parte da primeira turma de uma pós-graduação em Tecnologias Sociais na Região. O curso - que deve marcar o início de um ciclo permanente de estudos em inclusão social na UNILA - pretende qualificar profissionais que atuam no planejamento e desenvolvimento destas tecnologias em ONGs, cooperativas, agências de desenvolvimento e órgãos públicos.

De acordo com o coordenador pedagógico, Hernán Thomas, a especialização inicia em um momento de pujança regional das tecnologias para a inclusão social. Nas últimas décadas, mudanças de orientações nos governos da América Latina colocaram o desenvolvimento social como prioridade nas agendas políticas de países como Brasil, Argentina, Bolívia, Uruguai, Equador, Venezuela e Paraguai.

Thomas, que coordena o Instituto de Estudos sobre Ciência e Tecnologia da Universidade Nacional de Quilmes (Argentina), diz que a Região vem se tornando um espaço de experimentação e desenvolvimento tecnológico e social. “Essas tecnologias servem não apenas para suprir nossos problemas específicos, mas podem ser exportadas para países da África e Ásia, e até para países desenvolvidos. A busca é por  novas lógicas de desenvolvimento com menor impacto ambiental, maior segurança e menor risco de problemas sociais é uma. Essas são preocupações mundiais”, explica.

De forma simplificada, pode-se dizer que as tecnologias sociais buscam resolver questões sociais, mas fugindo das políticas paliativas e assistencialistas. A ideia é criar matrizes tecnológicas para resolver os problemas aprofundando as liberdades sociais e pessoais, fazendo uma inclusão real. “Não se trata de resolver os problemas dos excluídos, mas achar alternativas que sejam válidas para todos”, acrescenta Thomas.


Rede latino-americana


Para que os alunos possam incorporar essa mudança de pensamento, a especialização em Tecnologias Sociais da UNILA terá oficinais sobre conhecimentos de economia social e políticas científico-tecnológicas. “Queremos aproveitar esse espaço de discussão para começar a criar projetos seguindo as linhas da tecnologia social e incorporando os atores sociais”, diz o professor Mariano Fressoli, que também está na coordenação do curso.

Tudo isso, sob um olhar multicultural já que os estudantes são oriundos do Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Venezuela, Colômbia, México e Uruguai. A união dos conhecimentos trazidos por profissionais desses países poderá ajudar na formação de uma rede latino-americana de tecnologias sociais.

O Brasil e a Argentina já contam com esta metodologia. Somente no Brasil, onde a rede completou 10 anos, são mais de 800 instituições, cooperativas e ONGs que participam da rede. “O objetivo agora é juntar esforços para criar esta rede latino-americana que irá integrar ainda mais os que promovem o desenvolvimento sustentável e a transformação social por meio da aplicação e difusão de tecnologias sociais”, explica Thomas.


* Publicada originalmente en: http://www.unila.edu.br/noticia/tecnologias-sociais



 

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada